Logótipo

Contacte-nos
+351 911 761 723 295 217 256

Programa de treino individualizado e de educação alimentar para obesos

A Cardiangra dispõe de um Laboratório de Actividade Física onde pode acompanhar pacientes que sofrem de: Obesidade, Síndrome Metabólica e Problemas Cardíacos.

 

Obesidade

A obesidade está associada a vários problemas de saúde e ao aumento da taxa de mortalidade. São considerados obesos todos aqueles que possuam um Índice de Massa Corparal (IMC) superior a 30.

Índice de Massa Corporal (IMC)

Menos de 18,5 - Excesso de magreza
18,5 a 25 - Normal
25 a 30 - Excesso de peso
30 - 35 - Obesidade Tipo I
35 - 40 - Obesidade Tipo II
Mais de 40 - Obesidade Mórbida

 

Síndrome Metabólica

A Síndrome metabólica é um conjunto de factores de risco de aumentam o risco de desenvolver doenças cardiovasculares e/ou Diabetes tipo II. Esta surge quando os doentos reúnem 3 ou mais dos seguintes critérios:

Aumento no tamanho de cintura:
Homens a partir dos 102cm e Mulheres a partir dos 88cm.

Trigliceridémia elevada:
Pessoas com valores a partir dos 150mg/dL (ou a tomar medicação para o seu controlo).

Colesterol HDL (bom) diminuído:
Homens abaixo dos 40mg/dL e Mulheres abaixo dos 50mg/dL (ou a tomarem medicação para a sua elevação).

Pressão arterial elevada:
Pessoas com valores a partir dos 130/85 mmHg (ou a tomar medicação para o seu tratamento).

Elevação da glicose em jejum:
Pessoas com valores a partir dos 110 mg/dL (5.6mmol/L) (ou a tomar medicação para o tratamento de hiperglicémia)

Programa de reabilitação de doentes cardiacos

Segundo a Organização Mundial de Saúde a Reabilitação Cardíaca é definida como: "o conjunto de actividades necessárias para fornecer ao doente com cardiopatia uma condição física, mental e social tão elevadas quanto possível, para lhe permitir retomar pelos seus próprios meios um lugar na vida da comunidade, de uma forma tão normal quanto possível"

Trata-se de um trabalho realizado ao nível de prevenção secundária do paciente cardíaco uma através da realização de um trabalho que garanta uma melhoria da qualidade de vida do doente portador de doença cardiovascular.

Segundo também a European Associan for Cardiovascular Prevention & Rehabilitation, o trabalho de reabilitação cardíaca reduzirá o risco de novos problemas cardíacos em 50% e a mortalidade em 30%, previne o cancro e previne e ajuda a tratar a diabetes.